sexta-feira, 10 de outubro de 2008

Gumpices? Nem sei mais o que falar sobre isso. Hum, peraí! Lembrei!

Quando descobri que as meninas cruéis que dividem esse blog comigo escolheram o tema "micos", fiquei até um pouco desanimado. Já escrevi tanto sobre isso que já nem saberia mais o que contar.

Mas pensei melhor. Micos, gafes e afins, em minha homenagem, acabaram sendo rebatizados de gumpices, e então não teria como eu não saber o que escrever. Bastou ler as gumpices das duas que minhas idéias fervilharam.

O post da Doduti me lembrou algumas gumpices. Mas a melhor de todas foi quando eu dividia uma casa com amigos da UFPR.

Saímos de casa apenas para comprar pão no supermercado, mas acabamos comprando outras coisas também. Na volta, vimos o carro de outra menina da turma da faculdade, nossa quase vizinha.

- Vamos correr atrás dela e alcançá-la?

- Vamos!

Então, nas ruas desertas do nosso bairro àquela hora da noite, nos arredores do Centro Politécnico da UFPR, iniciamos a perseguição, até chegarmos perto. Mas ela começou a correr como louca. Aceleramos mais e chegamos perto novamente. Ela começou a correr  mais ainda. Tivemos que acelerar também pra nos mantermos na sua cola.

pers

Nossa amiga correndo e nós na cola

Finalmente ela parou, na frente da casa dela. 

E nós chegamos, buzinando alto, fizemos um cumprimento bem civilizado (gritando "Faaaala Cristiane!" com as cabeças pra fora do carro) e continuamos até nossa casa. A menina não fez qualquer sinal, apenas nos olhava. Naquele momento, seus olhos orientais estavam completamente arregalados.

A Cristiane nos ligou em seguida. Xingou até! Soubemos depois que ela até fez xixi no carro, assustada por estar sendo perseguida por dois maníacos.

Mancada.

Com a culpa apertando nossos corações, fomos comer.

Foi quando descobrimos que havíamos deixado os pães no supermercado...

gorda

Essa imagem não tem nada a ver com o post, mas a Lina praticamente implora para que tenha fotos desse tipo nos meus posts.

Já o mico da Lina me lembrou duas coisas. O título me lembrou que uns amigos queriam que eu criasse o site GafeDoGump.com e passasse a viver de fazer gumpices, minha especialidade (a única).

E também lembrou que eu estava num churrasco, na casa de um amigo, todo discreto,  como é do meu costume. Odeio chamar atenção. Admirava a paisagem pela imensa janela do salão de festas do prédio, quando resolvi olhar melhor alguma coisa, me aproximei e botei a cabeça pra fora.

Do salão, ouviu-se um enorme BOOOOOONC!

Ninguém presenciara o que havia causado o barulho, mas todos vieram, aflitos, em minha direção.

- Gump! Gump! Que barulho foi esse? Você está bem, cara?

Expliquei que sim, que eu só... errr... não tinha percebido que aquela janela perfeitamente transparente tinha uma vidraça.

Não adiantava nem mentir. Tinha até a marca do suor da minha testa - por isso odeio calor! - impressa no vidro.

E eu acabei nem contando a Gumpice que eu ia contar aqui no post. Vou guardar para postar lá no meu blog, quando passarem os problemas técnicos que o rondam...

quinta-feira, 2 de outubro de 2008

linapagandomico.com

Sim, essa coitada que vos fala, poderia até ser a rainha da cocada preta...
Mas não! Sou a rainha do mico!

Certa maldita vez, fui numa agência do Banco Real, bem ali na Avenida Paulista. Toda poderosa, de salto, uma sainha justa e maquiagem combinando com tudo.
Nessa época eu não era gorda como as mulheres das fotos que o Gump posta, entao ainda arrancava alguns olhares.
Mas voltando ao banco...fui toda glamurosa(péssimo esse termo, eu sei!), e como todo míope possui uma luneta poderosa ou lentes de contato milagrosa, e se como não bastasse ser cegueta, ainda tenho rejeição a lentes. Então fui sem lentes, sem luneta e sem cão guia.

Subi a escadaria, com aquele ar de mulher segura, caminhando em direção aquela enorme e transparente parede de vidro.
Sinceramente até hoje, me pergunto o que me deu na cabeça, que não me dei conta de que portas de vidro de banco não ficam escancaradas, mas a falta do meu óculos, e da sanidade mental, não me fez enxergar nenhum reflexo, achando assim que não tinha vidro.

O resultado, foi uma portada na cara, ou uma carada na porta, não sei bem. Até hoje tenho dificuldade em definir isso, mas me lembro nítidamente de ter ficado um pouco tonta com a pancada contra o vidro, e muito envergonhada com as pessoas me olhando, ou sei lá o que.
Parte vergonhosa da minha vida! hehehehe

Esse foi um entre muitos micos que pago diarimente, mas não me sai da lembrança, embora eu sempre tente esquecer.

Em protesto as imagens de gordas usadas pelo Uruca, e pelo sumiço dele, esse meu post não levará imagens, só palavras